quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Feliz Ano novo!!!



O ano novo é a entrada num ano seguinte.
Na véspera desse dia há música, convívio, alegria, simpatia, amizade…
Fazemos montes de brincadeiras com os nossos familiares, jantamos bacalhau com batatas cozidas e com muita emoção saboreamos a nossa refeição!!! Há sobremesa, há sempre coisas apetitosas como: aletria, rabanadas, bolo-rei, filhós…há tanta coisa boa. Meeee…!!!
À meia-noite abre-se uma garrafa de champanhe. Enchem-se as taças para brindar. A cada badalada das 12 come-se uma uva passa, e ao mesmo tempo faz-se a contagem decrescente.
E ao fim disso tudo, todos nós começamos à conversa sobre este dia!!!



FELIZ ANO NOVO

(texto elaborado por Bárbara e Gabriela Nunes)

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

O lago encantado!


Era uma vez uma menina diferente, que não era igual aos seus colegas, porque tinha uma mão maior que a outra. por isso era rejeitada por todos os seus companheiros.
Num certo dia, enquanto a menina passeava sozinha, descontente à beira de um lago, sentou-se numa rocha a chorar, muito triste. Uma das suas lágrimas caiu no lago e de repente surge um brilho muito forte e um pequeno sapinho que lhe diz:
- Não tenhas medo de enfrentar os teus medos, segue em frente. Só por teres uma mão maior que a outra é que não tens amigos? Vai enfrentar o que está aí dentro a impedir-te de teres amigos. Ganha coragem, ou queres continuar a chorar por tudo o que é sítio?
E de repente, o sapo desaparece sem deixar rasto. A menina ficou pasmada a olhar para o lago durante alguns minutos.
Passado tal época, a menina sentia-se feliz porque verdadeiramente acreditou em si mesma, por isso conseguiu arranjar amigos muito bons, não eram amigos quaisquer, eram amigos em quem ela podia confiar.Os seus amigos não se importavam se uma das mãos era maior que a outra, aceitavam-na como era.
Passado alguns dias o sapinho achou que devia oferecer uma lembrança à menina por ter coragem de se aceitar como era. POR isso foi ter com a menina. Quando lá chegou pediu-lhe que colocasse a sua mão maior em cima das suas costas. De repente raia um clarão muito estranho e a mão da menina ficou mais pequena e mais desinchada.
Mas ninguém se importou, com as mãos. O que lhes importava era que ela ia continuar a ser amiga e não ia fazer outras amizades nem os ia deixar.
E assim aquele lago começou-se a chamar o lago encantado!!!!

Moral da história:
Devemos acreditar em nós próprios para obtermos um resultado melhor

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Feliz Natal!!!

video

Desejo um feliz Natal a toda a minha família e a todos os meus amigos!

domingo, 20 de dezembro de 2009

Eu sou assim!!!


Eu sou uma menina inteligente, sou curiosa e por isso tenho interesse em saber muitas coisas. Sou sensível e preocupo-me com os outros. Sou conversadora, expressiva, brincalhona e divertida; também sou dinâmica e ágil, por isso tenho jeito para dançar e para fazer desporto – sou campeã de Artes Marciais.

Gosto de cantar e tenho boa voz; tenho jeito para a música.
Sou escuteira porque gosto de aventuras.
Sou bonita, gosto das minhas pestanas, do meu nariz e do meu cabelo.
Mas nem tudo são virtudes. Também sou resmungona e às vezes regateira. Muitas vezes sou barulhenta e nem sempre estou atenta. Sou instável, porque nem sempre estou bem onde estou e quero ir para outro lugar, mudar.
Nem sempre me apetece fazer os meus deveres, o que quer dizer que sou preguiçosa.
E assim acaba a minha história!

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Carta ao Pai Natal






Não sei se devo receber uma prenda porque não tive um comportamento exemplar, este ano.
Por isso não me sinto segura em pedi-la.
Mas também não posso ser assim tão negativa. Toda a gente erra … ninguém é perfeito!
Eu acho que respondi sem razão nenhuma às pessoas, fui teimosa…
De qualquer maneira, apesar de todas as asneiras e mais algumas que fiz, não sei se fui tão mal comportada e vou, mesmo assim, fazer o meu pedido. Também tive atitudes correctas. Tentei que não criticassem as pessoas sem companhia, defendi sempre os meus irmãos quando precisavam. E não foram só estas as minhas boas acções! Também brinquei com pessoas que não tinham amigos com quem brincar, porque eram rejeitadas.